Mais de 4,3 toneladas de óleo já foram retiradas das praias nordestinas


De acordo com o levantamento feito pelo IBAMA, foram contabilizadas, aproximadamente, 4.300 toneladas de resíduos de óleo retirados das praias nordestinas, até o dia de ontem. Essa informação foi divulgada no final da tarde de ontem após reunião entre o Grupo de Acompanhamento e Avaliação (GAA), formado pela Marinha do Brasil (MB), Agência Nacional de Petróleo (ANP) e Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), e Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) para apresentar os resultados obtidos por essa Instituição, no que se refere ao monitoramento das manchas de óleo na região Nordeste.
Neste encontro, foram debatidas técnicas de modelagem numérica e monitoramento por satélite e definida a criação de um Grupo de Trabalho, composto por especialistas de Universidades e Institutos de Pesquisas nacionais. Uma equipe composta por profissionais da Universidade Federal de Sergipe (UFS), Secretaria do Estado da Agricultura (Seagri), com o apoio da MB, fez coleta de amostras de água, sedimento e fauna em dois municípios sergipanos: na praia do Viral e no Rio Vaza-Barris.
As análises químicas servirão para mensurar o grau de contaminação, por óleo, nas amostras. As coletas seguirão até o dia 8 de novembro. A MB deslocou, em caráter preventivo, um Destacamento Operativo de Fuzileiros Navais, composto por 30 militares, para o norte do estado do Espírito Santo, nesta terça-feira (5).
Estes militares, que ficarão baseados em Conceição da Barra e São Mateus, iniciaram o reconhecimento da região, de modo a facilitar a atuação caso as manchas de óleo cheguem ao estado. Os três Navios da MB que suspenderam do Rio de Janeiro, ontem (4), sendo eles: Porta-Helicópteros Multipropósito Atlântico; Navio Doca Multipropósito Bahia e Fragata Liberal, seguem em direção à região Nordeste com previsão de chegada ao litoral de Pernambuco, no dia 10 de novembro.
Cerca de 700 Fuzileiros que estão embarcados nestes navios, desembarcarão na praia de Sirinhaém-PE, neste dia. Após o desembarque, os militares, incluindo mergulhadores, iniciarão a montagem de uma Base na região, como forma de incrementar as ações de limpeza das praias, manguezais e estuários.
Esta Base contará, também, com cerca de 30 caminhões, 25 viaturas leves, 1 trator, 6 equipamentos de engenharia e 18 embarcações menores. Os seguintes Navios da MB permanecem atuando e monitorando a região do arquipélago de Abrolhos: Fragatas Independência e Constituição, Navio de Pesquisa Hidroceanográfico Vital de Oliveira, Navio Oceanográfico Antares, Navio-Tanque Almirante Gastão Motta, Corveta Caboclo e Navios OSRV Viking Surf e Mar Limpo IV da Petrobras.
Até o momento, mais de 3.500 militares da MB, 30 navios, sendo 26 da MB e 4 da Petrobras, 17 aeronaves, sendo 6 da MB, 6 da Força Aérea Brasileira (FAB), 3 do IBAMA e 2 da Petrobras, além de 5.000 militares e 140 viaturas do Exército Brasileiro (EB), 140 servidores do Ibama, 80 do ICMBio e 440 funcionários da Petrobras atuam nessa grande operação. Os estados de RN, PB e PE estão com as praias limpas.
As seguintes localidades permanecem com vestígios de óleo, com ações de limpeza em andamento: Japaratinga, Barra de São Miguel, Coruripe, Feliz Deserto e Piaçabuçu em Alagoas; Cumbuco e Barra do Cauípe, no Ceará; Coroa do Meio, em Sergipe; Cairu, na Bahia.É importante frisar que a contagem desse material, não inclui somente óleo, mas também é composta por areia, EPI utilizados na coleta, lonas, etc. O descarte desse material vem sendo feito pelas Secretarias de Meio Ambiente dos Estados. A gravidade, a extensão e o ineditismo desse crime ambiental exigem constante avaliação da estrutura e dos recursos materiais e humanos empregados, no tempo e na quantidade que for necessária.
Caso aviste óleo nas praias, disque 185!

Assessoria

BORGES NETO LUCENA INFORMA

Comentários