"Pode vir repressão, pode vir perseguição, nós não abrimos essa candidatura", diz Anísio Maia após pedido de intervenção da Executiva Nacional

 


A divergências entre a Executiva Nacional do Partido dos Trabalhadores (PT) e o Diretório Municipal da sigla em João Pessoa tem rendido capítulos nas eleições municipais de 2020. Após o pedido de intervenção da Nacional na Direção do partido na Capital, o candidato a prefeito, Anísio Maia (PT), se manifestou sobre o caso e disse: "Pode vir repressão, pode vir perseguição, nós não abrimos dessa candidatura, que ela não é nossa é dos petistas de João Pessoa". 

Anísio Maia, durante entrevista ao programa 'Arapuan Verdade', desta quinta-feira (08), questionou os motivos de sua candidatura causar medo. "Essa minha candidatura está fazendo tanto medo assim? Por que esse povo tem tanto pavor da minha candidatura que tem como objetivo dialogar com a cidade de João Pessoa e apresentar propostas reais de mudança", afirmou.

Além disso, Anísio Maia (PT) acusou grupos de conspirações. "Eles passam o dia todinho conspirando contra nós. Combinando o que fazer. Todo dia é uma medida para inviabilizar a nossa candidatura. Isso é muito bem pensado. Eles sabem que isso não tem jeito. Eles sabem que vão perder na justiça todas as ações, mas ficam colocando, pensando diariamente alguma coisa para nos prejudicar", frisou.

Nessa quarta-feira (07), a Executiva Nacional do Partido dos Trabalhadores (PT) decidiu propor intervenção do diretório municipal da sigla em João Pessoa. O documento foi assinado pela presidente nacional, a deputada Gleisi Hoffmann. Desde que o diretório municipal decidiu manter a candidatura a prefeitura de Anísio Maia tem ocorrido divergências entre as decisões nacionais e locais. Conforme o documento que o ClickPB teve acesso, uma reunião está marcada para acontecer dia 14 de outubro, às 10h.

CLICKPB





FALA PARAÍBA-BORGES NETO