Em nota, Gaeco rebate criticas sobre lisura de áudios de Daniel no âmbito da Calvário

 

O Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO), através de nota divulgada neste sábado (31), rebateu criticas feitas a respeito do laudo pericial de áudios de Daniel Gomes, no âmbito da Operação Calvário. As criticas foram feitas durante programa do guia eleitoral do candidato à Prefeitura de João Pessoa, Ricardo Coutinho.

No programa, é colocada em dúvida a lisura do processo de investigação e, em nota, o Gaeco diz que a perícia da Polícia Federal atesta segurança das investigações.

Na nota, o perito criminal federal Marcelo Maia Hor-Meyll Alvares, em laudo técnico sobre a investigação, “em nenhum dos trechos dos áudios foi encontrado qualquer elemento indicativo de que os áudios tenham sido adulterados por meio de inserção ou supressão intencionais de intervalos ou fala”

Confira a nota na íntegra:

NOTA

O Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado – GAECO -, do Ministério Público da Paraíba, vem a público informar que todas as colaborações inseridas nos processos da Operação Calvário foram homologadas nos mais diversos juízos, incluindo o Tribunal de Justiça da Paraíba e o Superior Tribunal de Justiça.

A integridade dos áudios decorrentes destas colaborações, especificamente do empresário Daniel Gomes, foi assegurada pela perícia da Polícia Federal, após exames a que foram submetidos no setor técnico científico da instituição. Não há conhecimento acerca da existência de perícia privada.

Ademais, é importante ressaltar que a colaboração é tão somente meio de obtenção de prova, sendo, portanto, todas as ações penais, aviadas em face dos múltiplos denunciados, lastreadas em diversas outras matrizes de provas qualificadas, seguindo os mais rígidos critérios da boa e objetiva prática jurídica.

Confira parte do documento com a análise do perito criminal sobre o caso:

 


















PB AGORA


BORGES NETO LUCENA INFORMA