Após denúncias de fura fila em vacinação, prefeito de Manaus vai proibir fotos de vacinação nas redes


 O prefeito de Manaus, David Almeida (Avante), disse em transmissão ao vivo no Facebook na noite de terça-feira (19), que os profissionais de saúde da cidade não poderão publicar registros da vacinação contra a covid-19 nas redes sociais.

"A secretária está neste momento com uma portaria proibindo a divulgação em rede social dentro das unidades. Você se vacinou, fique para você. Você não precisa compartilhar em rede social. Essa é a determinação, esse é o pedido", declarou.

A decisão ocorreu após a disseminação de boatos refutados pela prefeitura de que moradores fora do grupo prioritário teriam recebido a vacina. Na transmissão, Almeida disse que uma das "polêmicas" foi uma fotografia postada em rede social de uma pessoa tomando outro tipo de injeção. "Aquilo não é a vacina da covid-19. A nossa seringa é diferente", alegou. "Portanto, se requer cuidado quando você posta, quando você comenta."

Outro caso que teria atraído críticas foi a imunização de duas médicas recém-nomeadas em uma unidade básica de saúde. Segundo o prefeito, ambas começaram a trabalhar recentemente na rede pública após o afastamento de 122 profissionais da área por causa do novo coronavírus. "Elas estavam em serviço, no seu plantão", justificou o prefeito. "Se encaixa perfeitamente naquilo que preconiza as normas ditadas pelo governo federal", continuou.

A capital do Amazonas vive uma grave crise sanitária, com aumento de casos e internações pelo novo coronavírus, em meio à falta de fornecimento de oxigênio. Situação semelhante também é relatada em municípios do interior amazonense e do Pará.

A vacinação em Manaus começou na terça-feira, destinada prioritariamente a profissionais de saúde que atuam no atendimento de pacientes com covid-19. A gestão municipal diz que a cidade recebeu 40.072 doses.

Segundo boletim epidemiológico do governo amazonense, a capital está com ocupação de 94,3% nos leitos de UTI públicos e privados para pacientes com covid-19, média que é de 94,5% nos leitos de enfermaria. Na última terça-feira, 19, a cidade realizou 177 sepultamentos, dos quais 98 de casos confirmados ou suspeitos de covid-19. Há um mês, em 19 de dezembro, foram realizados 39 sepultamentos na cidade, dos quais sete eram de vítimas da doença.

CLICKPB



FALA PARAÍBA-BORGES NETO