‘Os estados não podem assumir a responsabilidade financeira do governo’, diz Tibério sobre auxílio

 

O secretário de Estado de Desenvolvimento Humano, Tibério Limeira, concedeu entrevista ao programa Rede Verdade, da TV Arapuan, na tarde desta sexta-feira (12), onde detalhou diversas medidas voltadas às famílias em situação de vulnerabilidade social e a segmentos econômicos afetados pela pandemia do coronavírus, entre elas, a distribuição de 600 mil cestas básicas, isenção do pagamento de tarifas de água e o aumento no valor do Cartão Alimentação para aproximadas 52 mil famílias cadastradas nos programas sociais do governo.

Questionado sobre a formulação de um programa de transferência de renda direta que possa atender determinados segmentos da economia local, o secretário apontou que o Governo do Estado não tem condições de atender nesse momento a esse público com um auxílio financeiro direto pelo alto poder de endividamento que ele traria aos cofres do Estado, apontando ainda que a responsabilidade é do Governo Federal.

“No momento não, a gente já dialogou e isso é uma questão que nos inquieta muito, não só a mim, mais ao próprio governador, porque de fato, dentro da política de assistência e da necessidade das pessoas, uma transferência direta de renda é a principal forma de ajuda. Porém, é necessário que a população entenda que os estados não podem assumir uma responsabilidade que é do governo federal”, apontou.

“Dentro do Pacto Federativo, mais de 70% das receitas ficam com o governo e o resto que vai para estados e municípios. Então não dá para o Estado assumir um vácuo do Governo Federal, porque é ele quem tem capacidade de imprimir papel moeda e uma capacidade maior de endividamento. É por conta dessa capacidade de endividamento que o governo federal pagou o auxílio emergencial no ano passado”, explicou Tibério Limeira.

Confira na íntegra a entrevista concedida ao jornalista Luís Tôrres:


Edney Oliveira/Redação


FALA PARAÍBA-BORGES NETO