Presidente da CPI diz que Wajngarten mentiu no depoimento e suspende sessão

 

O presidente da CPI da Covid, Omar Aziz (PSD-AM), suspendeu a audiência com o ex-secretário de Comunicação Fábio Wajngarten, após uma sequência de falas evasivas do ex-auxiliar do governo Bolsonaro. Aziz disse que Wajngarten estava mentindo na sessão e resolveu suspender o depoimento.

Wajngarten foi convocado para explicar a declaração em que afirmou a “incompetência” do Ministério da Saúde no atraso na compra de vacinas contra a Covid-19. O ex-chefe da Secom também havia dito, em entrevista à imprensa, que o presidente Jair Bolsonaro não poderia ser responsabilizado e que havia recebido informações erradas no processo.

Em sua fala, o relator Renan Calheiros (MDB-AL) questionou a Wajngarten quem havia dado essas instruções erradas. “O presidente sempre disse que compraria toda e qualquer vacina uma vez aprovada pela Anvisa”, respondeu o ex-auxiliar do governo.

Depois disso, o presidente da CPI interveio: “Senhor Fábio, o senhor só está aqui por causa da entrevista da revista Veja. Se não a gente nem lembraria que o senhor existia, o senhor está me entendendo? É só por causa disso, não tem outra razão para você está aqui”.

“Não faça isso com a gente, todo mundo aqui está aqui por uma qualidade, a única qualidade que não chega aqui é menosprezar a minha inteligência pelo menos nas suas respostas, então, o senador Renan está demorando demais porque vossa excelência não está respondendo. O senhor está mentindo aqui para todos nós”, continuou Aziz.

“E aí ele está aqui tangenciando sobre as perguntas, depois a gente toma uma medida mais radical e aí vão dizer que nós somos isso e aquilo, por favor, não menospreze a nossa inteligência, ninguém é imbecil aqui”, afirmou Omar Aziz.

Aziz ainda disse dar um “conselho” ao ex-secretário de Comunicação para que fosse objetivo e verdadeiro. “A gente se sente bem protegido quando tem um poder por trás da gente. Depois que não tem o poder, a gente fica abandonado e aí é o arrependimento”, afirmou Aziz.

“Com todo o respeito que o senhor merece, se Vossa Excelência não for objetivo nas suas respostas, nós iremos dispensá-lo dessa comissão, pediremos a revista Veja que mande a gravação e o chamaremos de novo, não como testemunha, mas como investigado”, disse Omar Aziz.


PARAÍBA.COM

.BORGES NETO LUCENA INFORMA