Bolsonaro, após críticas por desrespeitar regras da Covid, chega de máscara ao G20

 

BRUXELAS, BÉLGICA (FOLHAPRESS) - Após ser criticado por jornais e redes de TV italianas por caminhar no centro de Roma em meio a um grupo de cerca de 30 pessoas aglomeradas, boa parte das quais sem máscaras, o presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, usava a proteção facial quando chegou neste sábado (30) para a cúpula do G20.

Bolsonaro foi recebido pelo premiê italiano, Mario Draghi, que é o presidente do G20 neste ano, e tirou a máscara para fazer a foto oficial. No interior do local do evento, os líderes não usavam a proteção.

O passeio na sexta (29) foi organizado pelo deputado ítalo-brasileiro Luis Roberto Lorenzato, que divulgou imagens de Bolsonaro caminhando por pontos turísticos. Eleito para o Parlamento italiano em 2018, pela Liga, partido de direita radical liderado por Matteo Salvini, ele tem sido o articulador entre o presidente brasileiro e figuras da direita italiana.

Nos vídeos que foram reproduzidos por telejornais italianos, Bolsonaro não segue as recomendações sanitárias vigentes na Itália: o uso de máscara é indicado para ambientes abertos onde não seja possível manter o distanciamento físico -caso da aglomeração provocada pelo presidente.

Os jornalistas também ironizaram o fato de que, na loja de embutidos que visitou, Bolsonaro tenha recusado um café e preferido uma Coca-Cola. "Ele vai entrar para a história como o único presidente brasileiro que veio a Roma e recusou um café, logo este produto que representa uma conexão entre os dois países", disse o apresentador do telejornal da emissora Rai, na manhã deste sábado.

Desde que chegou, Bolsonaro tem evitado a imprensa. Após desembarcar, ele não respondeu a uma pergunta sobre suas expectativas em relação ao G20 e, na noite de sexta, a Secretaria de Comunicação da Presidência afirmou não ser possível atender ao pedido de que o presidente falasse sobre seu encontro com o presidente italiano, Sergio Mattarella.

Após a reunião cerimonial, o presidente voltou à embaixada, onde está hospedado, e convidou para uma conversa apenas os repórteres das emissoras CNN e Record. De acordo com assessores da Presidência, os dois jantaram com a comitiva.

Neste sábado, segundo a Secretaria de Comunicação da Presidência, não havia, até as 13h (horário local), nenhuma previsão de que o presidente falasse sobre os encontros previstos: às 16h, ele se reúne com o secretário-geral da OCDE, grupo de países nos quais o Brasil pleiteia ingressar.

FALA PARAÍBA-BORGES NETO