“Que presidente é esse, que ameaça sua gente?”, diz deputado paraibano sobre veto sobre à distribuição gratuita de absorventes

 

“Que tipo de presidente é esse, que ameaça sua gente em vez de defendê-la?”, comentou o deputado estadual Jeová Campos (PT), em nota enviada à imprensa, reportando-se à declaração de Bolsonaro segundo a qual se o Congresso derrubar o veto dele à distribuição gratuita de absorventes, os recursos para essa ação serão retirados da Saúde e da Educação.

Jeová Campos fez menção ao corte de 87% das verbas do Ministério da Ciência e da Tecnologia: “É uma subtração que impossibilita projetos já agendados pelo CNPq. É um golpe que prejudica o desenvolvimento nacional e o futuro desta nação. Como esse presidente se diz tão patriota e ele mesmo prejudica sua nação?”, questionou.

“Estamos cansados já desse governo que nos envergonha. A bancada de oposição pensa em levar o caso à ONU, inclusive, por achar ultrajante, misógino, o fato. Mais um escândalo de descaso com a população brasileira, com a ciência”, comentou Jeová, acrescentando que ainda se não bastasse o presidente ainda ameaça a população dizendo que o Congresso rejeitar seu veto, os recursos vão sair da Saúde e da Educação. “Que tipo de presidente é esse, que ameaça sua gente ao invés de defendê-la?”, disse Jeová.

Outro golpe duro essa semana, continuou o parlamentar, foi o anúncio de corte na área de pesquisa. O Ministério da Ciência e Tecnologia teve a ameaça de 87% da sua verba cortada, pegando de surpresa pesquisadores que contavam com os recursos para continuar estudos nas mais diversas áreas. “Não é a primeira vez que ele faz isso. Ano passado, as Universidades sofreram com o corte de recursos, estão passando por dificuldades e milhares de bolsistas país afora também. Isso é uma subtração que impossibilita projetos já agendados pelo CNPq. É um golpe que prejudica o desenvolvimento nacional e o futuro desta nação. Como esse presidente se diz tão patriota e ele mesmo prejudica sua nação? Absurdo em cima de absurdo”, afirmou o parlamentar, lembrando ainda a negligência e descaso de Bolsonaro com os brasileiros na pandemia, com o atraso na compra das vacinas, o que, segundo ele, agravou o quadro de mortes no país.

Da Redação


PB AGORA

BORGES NETO LUCENA INFORMA