Queiroga se irrita com pergunta sobre vacinação infantil e abandona entrevista

 

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, se irritou e abandonou uma entrevista nesta quarta-feira (29) após questionamentos dos jornalistas sobre a consulta pública de vacinação das crianças contra a Covid-19.

De acordo com informações da Revista Fórum, apesar da pasta ter afirmado que a imunização dessa faixa etária só poderá ser realizada com a autorização dos pais ou responsáveis, pelo menos 20 Estados informaram que não irão pedir prescrição médica.

Segundo Queiroga, os governadores e prefeitos devem se manifestar através da consulta pública. “É por isso a consulta pública. Estados têm que se manifestar lá, governadores falam em prescrição, prefeitos também (…). Pelo que eu saiba a maioria deles não são médicos, então estão interferindo em suas secretarias estaduais e municipais”, disse o ministro, antes de abandonar a coletiva.

A consulta pública foi bastante criticada por especialistas, visto que a vacinação infantil trata-se de um assunto técnico que já foi aprovado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). De acordo com o ministro, no entanto, o formulário é um instrumento da “democracia” que “amplia a discussão sobre o tema”.

“Traz mais tranquilidade para os pais para que possam levar seu filhos para a sala de vacinação. (…) A recomendação do Ministério da Saúde é aquela, foi posta em consulta pública para que a população opine. Não é novidade nenhuma, geralmente as decisões são mantidas”, afirmou Queiroga.

Queiroga então prosseguiu: “Falam no tema [sobre prescrição], e pelo que saiba a maioria não são médicos, então estão interferindo nas suas secretarias [de saúde]”.

A repórter novamente o questiona. “E por que pela primeira vez pedir prescrição médica?”.

Neste momento, Queiroga vira às costas e abandona a entrevista.

PB Agora com Revista Fórum


BORGES NETO LLUCENA INFORMA