Google investirá US$ 1,2 bilhão na América Latina nos próximos cinco anos

 


O Google informou nesta quinta-feira (9) que fará um aporte de US$ 1,2 bilhão (cerca de R$ 5,9 bilhões) na América Latina nos próximos cinco anos. Segundo a empresa, o objetivo é apoiar o desenvolvimento econômico da região.

Em comunicado, o Google afirmou que o investimento será feito nas áreas de infraestrutura digital, capacitação em habilidades digitais, empreendedorismo e comunidades inclusivas e sustentáveis.

Os compromissos da companhia para os próximos cinco anos na América Latina incluem:

  • lançamento do cabo submarino Firmina em 2023;
  • ampliação da equipe de engenharia no Brasil;
  • oferta de 1 milhão de bolsas para cursos em áreas com alta demanda por profissionais;
  • lançamento da carteira digital Google Wallet no Brasil e no Chile;
  • doação de US$ 300 milhões (US$ 50 milhões em aporte monetário e US$ 250 milhões em créditos de publicidade) para apoiar ONGs que atuam em áreas como sustentabilidade e oportunidades econômicas para mulheres.

O Firmina será o quarto cabo submarino do Google na América Latina e percorrerá dos Estados Unidos à Argentina, passando por Brasil e Uruguai. Ele será capaz de funcionar com somente uma fonte de alimentação em uma das pontas, se necessário – será o maior do mundo desse tipo.

O projeto, anunciado em junho de 2021, foi batizado em homenagem à escritoria e abolicionista brasileira Maria Firmina dos Reis.

No início de 2022, o Google abriu novas vagas para engenheiros no Brasil com foco nas áreas de privacidade e segurança e disse que pretendia dobrar o tamanho dessa equipe até 2023. Agora, a empresa repetiu o plano de ampliar o setor e disse que ele será responsável por criar produtos melhores para a América Latina.

O apoio às organizações não-governamentais é feito pelo Google.org, setor filantrópico da empresa. No Brasil, a divisão já ofereceu suporte para o Instituto Rede Mulher Empreendedora. Segundo a companhia, as doações também serão destinadas a ONGs que trabalham para proteger a biodiversidade na Amazônia.

CLICKPB



FALA PARAÍBA-BORGES NETO