"Manifesto que sou a favor da democracia", diz Bolsonaro

 


Após críticas à Carta em Defesa do Estado Democrático de Direito, o presidente Jair Bolsonaro (PL) usou as redes sociais, na noite dessa quinta-feira (28), para ironizar o documento. No Twitter, o chefe do Executivo nacional decidiu publicar o próprio manifesto.

Em três linhas, o mandatário do país resumiu o que também intitulou de “carta de manifesto em favor da democracia”.

“Por meio desta, manifesto que sou a favor da democracia. Assinado: Jair Messias Bolsonaro, presidente da República Federativa do Brasil”, escreveu na página oficial do Twitter.

Essa foi uma resposta à carta original, criada pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (FDUSP), que já tem mais de 300 mil assinaturas – de banqueiros, empresários, artistas e juristas. O texto será lido no dia 11 de agosto.

Pix

Em conversa com apoiadores em Brasília, Bolsonaro disse que a atitude de alguns banqueiros de assinar a carta é uma retaliação à implantação do sistema PIX — mesmo argumento citado pelo ministro-chefe da Casa Civil, Ciro Nogueira (PP), para condenar o documento, na última terça (26).

“Foi no nosso governo a criação do PIX. Alguém falou ‘vamos taxar’, eu falei ‘não, não tem taxação não’. Esse negócio de carta aos brasileiros, à democracia, os banqueiros estão patrocinando. É o PIX, que eu dei uma paulada neles. Os bancos digitais, que nós facilitamos, também. Nós estamos acabando com o monopólio dos bancos. Eles estão perdendo poder. Carta pela democracia. Qual ameaça que eu tô oferecendo à democracia?”, questionou Bolsonaro.

“Nota política em ano eleitoral”

Poucas horas antes de publicar o próprio manifesto, Bolsonaro já havia criticado o documento, durante a live semanal. Na ocasião, o titular do Planalto afirmou que a carta em defesa da democracia é “uma nota política em ano eleitoral“, que tem como objetivo “politizar o momento”.

“Olha, quem é contra a democracia no Brasil? Em três anos e meio, algum ato meu contrário à democracia? Eu acho que nós temos o contrário, de outras pessoas contrárias à democracia. Nós somos pela transparência, pela legalidade, nós respeitamos a Constituição”, afirmou.

Na sequência, o presidente acrescentou: “O que foi essa nota? Não entendi. Agora, foi uma nota política em ano eleitoral. […] Se não tivesse o viés político nessa nota, eu assinaria, sem problema nenhum”.

Ataque hacker

Na quinta, a assessoria de comunicação da Faculdade de Direito da USP informou que, desde a publicação da carta, a página que hospeda o documento sofreu 2.340 tentativas de ataques hacker.

Os organizadores do manifesto consideram o momento atual, marcado por ataques à democracia, ao Supremo Tribunal Federal e ao processo eleitoral, um período perigoso. Contudo, o documento não cita nomes.

CLICKPB


FALA PARAÍBA-BORGES NETO