Mentira para Neymar, reforma não realizada, censura à Globo e impasses sobre contrato marcam relação entre Luva de Pedreiro e empresário

 


No dia 3 julho, o Fantástico exibiu uma reportagem sobre o influenciador digital Iran Santana Alves, conhecido como Luva de Pedreiro, e o desentendimento público que ele teve com seu primeiro empresário, Allan Jesus. Um assunto que continua gerando muita repercussão nas redes sociais.

No dia 1º de julho, a TV Globo foi notificada de uma liminar concedida ao empresário Allan Jesus. A decisão impedia que a reportagem divulgasse informações sigilosas do contrato assinado com Luva de Pedreiro. Proibia também que fosse exibida qualquer manifestação que pudesse ser entendida como discurso de ódio contra Allan, porque ele vinha sofrendo ameaças.

Naquele domingo, a TV Globo condenou as ameaças contra o empresário, e também manifestou preocupação com a interferência em seu trabalho jornalístico. Afinal, a liberdade de imprensa e de expressão são protegidas pela Constituição brasileira. A TV Globo recorreu e, na última quinta-feira, a liminar foi revogada.

O Fantástico exibe, então, trechos da reportagem completa, com informações que estavam proibidas de ir ao ar. Allan Jesus aceitou gravar entrevista para dar o seu lado dessa história. E Luva de Pedreiro foi ouvido outra vez. 

“Eu estava sendo ameaçado de morte. Vazaram os meus dados pessoais. Eu precisei pedir ajuda, precisei pedir socorro”, conta o empresário Allan Jesus.

Na conversa com a repórter Giuliana Girardi, Allan conta o que chamou a atenção no Luva de Pedreiro.

“Olha, eu vi nele o carisma, a coisa autêntica, aquele conteúdo nativo, né? Ele tinha elementos que eu tinha certeza que dariam muito certo. Como uma narrativa pautada para jornada do herói, né? Aquele garoto que sonha em ajudar sua família, sonha em crescer no seu trabalho, sabe?”, explicou.
Veio então o contato com o Iran, lá na Bahia. E um contrato em que Allan se tornava empresário do Luva de Pedreiro.

Allan mostrou ao Fantástico áudios indicando que ele havia explicado detalhes do contrato. Como a porcentagem que Iran receberia pelos trabalhos.

Allan: Eu tive esse cuidado de primeiro explicar para todos eles como iria funcionar.
Giuliana: Não tinha nenhuma advogada?
Allan: Não tinha, eu fiz a leitura do contrato com o Iran. Ele é extremamente inteligente, tá? O Iran sabe ler.

No entanto, na reportagem feita duas semanas atrás, Iran afirmou ao repórter Mauricio Ferraz não saber o que dizia o contrato.

“Eu sei lá, nem li, não sabia de nada, não sei, eu não sei muito ler não esse negócio. Sou meio fraco”, disse.
Giuliana: Existe uma multa muito grande, né? Muito alta, R$ 5,2 milhões só por um lado.
Allan: Por exemplo, o contrato que eu tenho com o meu outro criador de conteúdo é o mesmo contrato do Iran.
Giuliana: Você considera esse contrato um contrato equilibrado?
Allan: Com certeza.

Na reportagem anterior, o pai de Iran disse ao Fantástico ter se sentido muito enganado. Por isso, a família do Luva chamou uma advogada para rever o contrato.

“A gente apontou também, por vontade do Iran, a diminuição do prazo do contrato para metade, o que eles não concordaram”, contou a advogada.

O contrato permanece com a validade de quatro anos.

Allan: Existe um contrato onde foi alterado a questão da multa a ser bilateral.
Giuliana: Esse contrato foi assinado?
Allan: Esse contrato não foi assinado, a gente fez as alterações, que são válidas.
Giuliana: Mas, se ele não foi assinado, vale?
Allan: Sim, vale.

No entanto, a advogada contesta essa informação.

“Não. Não chegamos numa concordância final, né? Então não houve assinatura nem renovação de cláusula, alteração, nada disso”.
Durante esse impasse, Iran contou que se sentia nas mãos de Allan para tudo.

Giuliana: Ele tem algum cartão?
Allan: Ele tem. Se eu não me engano, duas contas pessoa física. Ele falava: "Allan, eu preciso de x pra comprar isso. Um x".
Giuliana: Mas era sempre pedindo pra você...
Allan: Giuliana, nunca faltou, nunca faltou nada para ele. Temos um calendário que eu preciso respeitar de recebimento. Certo?
Giuliana: E quantos contratos vocês fecharam?
Allan: Mais ou menos R$ 2,2 milhões, por aí. Isso em menos de quatro meses de trabalho. Esses contratos começam a ser pagos a partir de julho. Ontem (dia 15), por acaso, já caiu três ordens de pagamento. O Iran já foi comunicado.

Allan Jesus apresentou um documento feito por um contador contratado por ele. No parecer, estão listados os contratos, receitas e despesas que envolvem a parceria com Iran.

Iran reafirmou, em nova entrevista gravada este fim de semana, que não sabia de valores nem de conta jurídica.

Sobre a nova casa prometida para o Luva, a resposta do empresário é de que ela estava prestes a ser construída.

O fato é que nada se concretizou. Iran decidiu romper a parceria antes. Luva de Pedreiro deixou Allan para fechar negócio com o ex-jogador de futsal Falcão.

O embate com Allan vai continuar na Justiça. No próximo dia 26, haverá uma audiência de conciliação entre as partes. Até lá, a Justiça determinou que Iran continue cumprindo os compromissos assumidos no contrato com Allan. Luva de Pedreiro segue atendendo às agendas dos dois empresários.

CLICKPB


FALA PARAÍBA-BORGES NETO