Humberto Costa revela tendência de Lula chamar Nísia Trindade, da Fiocruz, para o Ministério da Saúde: "uma mulher muito capacitada"

 


O senador Humberto Costa (PT-PE) disse, nesta sexta-feira (16), que o presidente eleito Lula já estaria fechando o nome para o Ministério da Saúde e que uma mulher fará a gestão da pasta nos próximos quatro anos do governo petista. A declaração foi dada ao programa Arapuan Verdade. 

"São muitas especulações que parecem ter um fundamento e o nome de Nísia Trindade, presidente da FioCruz, é o de maior tendência na escolha do presidente. Ela é mulher e amplia a diversidade de gênero no governo e deve apontar uma boa equipe e fazer um bom trabalho. Essa parece ser a decisão do presidente", disse como acompanhou o ClickPB.

Além dela, outras mulheres especuladas para ocupar a Esplanada dos Ministérios são Izolda Cela (Educação), Marina Silva (Meio Ambiente) e Simone Tebet (Desenvolvimento Social). 

Se convidada, Nísia será a segunda ministra do governo de Lula, a cantora e compositora baiana Margareth Menezes, que havia sido convidada para o Ministério da Cultura, aceitou o convite na terça-feira (13) e deve ser anunciada oficialmente junto com as outras.

Ao ser questionado sobre os desafios que a equipe de transição segue enfrentando para a entrega das demandas e pendências, no próximo dia 1º de janeiro ao governo Lula, o senador destacou que o Sistema Único de Saúde (SUS) deve ser um dos setores de maior atenção para os próximos anos.

"A equipe de transição obteve um resultado muito importante pois conseguiu fazer um diagnóstico preciso da situação do governo e dos diversos ministérios e seus problemas. Identificou um quadro de terra arrasada e, com isso, temos uma demonstração de tudo que precisa ser feito para reconstruir o nosso pais particularmente o SUS", explicou. 

Segundo ele, será um momento difícil para o país, uma vez que houve a desestruturação e o desmonte de diversos programas sociais. "Por outro lado nós também analisarmos coisas que precisam ser revogadas acercas das decisões do governo de Bolsonaro. Diversas negociações necessárias e também diversas medidas para que possamos ter ações emergenciais para o início do governo que são coisas urgentes e que precisam ser realizadas", reforçou como acompanhou o ClickPB.  

Perfil:

Doutora em Sociologia e servidora da Fiocruz desde 1987, a pesquisadora, professora e gestora Nísia Trindade Lima foi a primeira mulher a comandar a Fundação, em 116 anos de história. Escolhida na época do então presidente da República, Michel Temer, e pelo ministro da Saúde, Ricardo Barros, como a nova presidente da Fundação Oswaldo Cruz na gestão 2017-2020, Nísia Trindade Lima foi a candidata mais votada nas eleições internas da Fiocruz, realizadas em novembro de 2016, com 59,7% dos votos em primeira opção. 

Doutora em Sociologia, Nísia é servidora da Fiocruz há quase três décadas. Ingressou na instituição em 1987 como pesquisadora da Casa de Oswaldo Cruz (COC/Fiocruz), assumindo a Direção da unidade de 1999 a 2005. Já na primeira década do novo milênio, Nísia atuou ainda como membro do conselho editorial da Editora Fiocruz, do comitê científico e da comissão executiva do 4º Congresso Mundial de Centros de Ciência e da comissão organizadora de eventos integrantes da comemoração do centenário da descoberta da Doença de Chagas. Participou da criação do curso de especialização em história da saúde na Amazônia, em parceria com o Instituto Leônidas e Maria Deane (Fiocruz Amazonas), e do Programa de Pós-graduação em História das Ciências e da Saúde da COC.

CLICKPB



BORGES NETO LUCENA INFORMA