Bolsonarista x petista: deputados da PB divergem sobre decisão de Fachin

 

De um lado o deputado estadual pelo PT, Anísio Maia. Do outro, o deputado bolsonarista Cabo Gilberto, do PSL, e no meio o choque de opiniões sobre a decisão do ministro do STF Edson Fachin, que na tarde desta segunda-feira (8) anulou as condenações do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) no âmbito da Lava Jato.

Para Anísio Maia, a decisão tomada por Fachin foi tardia, pois a defesa do ex-presidente Lula, ao longo dos últimos anos, entrou com vários requerimentos junto ao Supremo Tribunal Federal solicitando que fosse declarada a suspeição do juiz Sérgio Moro, ou, do que ele chamou de, ‘Tribunal de Inserção de Curitiba’.

Anísio Maia lembrou que após vazadas as conversas entre o juiz Sérgio Moro e os procuradores da Lava Jato, ficou clara a combinação para condenar o ex-presidente. “O juiz passou a ser acusador e também coordenador de um processo inquisitório, portanto, essa decisão está atrasada. Esta decisão não repara o que o ex-presidente sofreu, passou mais de um ano presos, sua família sofreu constrangimentos e deixou de ser candidato à presidência. O prejuízo foi enorme”, argumentou Anísio.

O petista afirmou que a decisão só tomada agora por Fachin porque o ex-juiz e ex-ministro da Justiça, Sérgio Moro, está agora sendo julgado como juiz suspeito. “Fachin correu para salvar Moro ou está sendo influenciado politicamente?, questionou o deputado.

Contrário a decisão de Fachin, o bolsonarista Cabo Gilberto afirmou que o STF tem funcionado como um tribunal político que traz insegurança jurídica. Para o Cabo, a anulação das condenações sofridas por Lula é um ataque à democracia. “É uma decisão política do STF. Inclusive, o ministro Edson Fachin é militante do PT e agiu em causa própria, não como ministro do STF e sim como advogado do Partido dos Trabalhadores”, disparou o Cabo Gilberto.

 

PB Agora


BORGES NETO LUCENA INFORMA