Moradora resgatada de abrigo clandestino morre em hospital de João Pessoa após 17 dias internada


 Mais uma moradora resgatada do abrigo clandestino após denúncias de maus-tratos em João Pessoa, faleceu, nesta quinta-feira (22), no Hospital Padre Zé, para onde foi levada após uma ação do Ministério Público da Paraíba (MPPB). A mulher tinha 54 anos de idade e era acometida de um acidente vascular cerebral (AVC). 

Ao ClickPB, o diretor do Hospital Padre Zé, padre Egídio de Carvalho, a paciente chegou com alto grau de desidratação e de desnutrição. Além disso, chegou sangrando bastante e tinha problemas psiquiátricos. O que chamou a atenção do diretor e da equipe de saúde é que a paciente repetia com frequência que estava com fome mesmo após ter sido alimentada.

"Isso indica que é uma pessoa que passou muita fome. Terminava a alimentação e chegava outra enfermeira ela dizia que estava com fome. Era uma paciente que tinha uma certa gravidade. Não pelo AVC, mas pela hemorragia", relatou, ao portal, o padre Egídio. 

O abrigo foi interditado após uma denúncia recebida pelo Ministério Público da Paraíba, no início do mês de abril. Alguns moradores foram levados para o hospital para tratamento, outros para casa de acolhimento e casa de familiares. Hoje, pelo menos 19 estão internados no Padre Zé. Outros três estão na casa de acolhida do Instituto Padre Zé. 

Confira o comunicado do diretor:


CLICKPB


FALA PARAÍBA-BORGES NETO