Cícero reforça críticas sobre lançamento precipitado de pré-candidatura de Efraim e diz que decisões devem passar por João

 

O prefeito de João Pessoa, Cícero Lucena (Progressista), reforçou as criticas feitas por João Azevêdo (Cidadania) quanto ao movimento antecipado de lançamentos de pré-candidaturas. Durante entrevista nesta sexta-feira (27), o chefe do Executivo pessoense afirmou que o momento é de enfrentar os problemas gerados pela pandemia e apontou que todas as decisões políticas do grupo precisam ser coordenadas pelo governador, ao contrário do que tem ocorrido.

“Tenho certeza que a política se resolve no tempo certo. Esse é um momento, a mais de um ano da eleição, para que a gente trabalhe. O resultado, a colheita desse trabalho vai ser na eleição. Então estou preocupado em trabalhar, em cuidar da cidade e trazer cada vez mais benefícios para esta cidade. Este é meu compromisso e estou fazendo. Aqueles que querem antecipar a eleição devem ter os seus interesses pra isso”, disse.

“Cada partido vai dizer que merece e precisa ter o espaço. Acho que cabe ao governador João Azevêdo, que tem uma base de governo com bastante partidos, que tem um trabalho realizado, coordenar esse trabalho. Acho que por maior que sejam os partidos, eles têm que entender que o líder é o governador, e o governador é quem recebe todas as informações, é quem conduz isso”, frisou o prefeito Cícero Lucena.

Entenda
João Azevêdo, durante entrevista exclusiva ao Sistema Arapuan de Comunicação, fez duras críticas ao lançamento da pré-candidatura ao Senado do deputado federal Efraim Filho (DEM), que ocorreu no inicio desta semana. Ela contou com o apoio do presidente da Assembleia Legislativa, Adriano Galdino (Avante) e do senador Veneziano Vital (MDB), todos da base do governador.

João Azevêdo pontuou durante a entrevista que falta mais de um ano para as eleições e que o momento atravessado neste momento pelo Estado por conta da pandemia não cabe palanque. “A minha opinião a respeito desse fato eu já externei a cada um deles. Acho que houve uma precipitação”, afirmou o governador

O chefe do Executivo paraibano citou ainda que não há nenhum tipo de discursão interna sobre a eleição e que, as pré-candidaturas lançadas até o momento, todas foram sem o seu concentimento.

“A chapa majoritária ainda não está sendo discutida internamente, estamos vendo diversos movimentos, mas nenhum deles tem o aval do governador. Não é essa a nossa discussão no momento”, disse João Azevêdo.