Morre publicitário Duda Mendonça



 Figura disputada entre políticos, o marqueteiro Duda Mendonça, que morreu aos 77 anos, teve uma carreira marcada por grandes trabalhos em eleições no Brasil. A morte de Duda foi confirmada pela família nesta segunda-feira (16). Ele estava internado em São Paulo, no Hospital Sírio Libanês.

O ex-marqueteiro do Partido dos Trabalhadores (PT) estava hospitalizado para tratar um câncer no cérebro e fazia quimioterapia. Em junho, ele foi diagnosticado com a Covid-19, que agravou o quadro de saúde e precisou ser intubado. O corpo de Duda será cremado, e os detalhes sobre o local estão sendo definidos pelos familiares.

Entre as campanhas que liderou, se destacam a de Paulo Maluf à Prefeitura de São Paulo em 1992 e a de Luiz Inácio Lula da Silva para a presidência em 2002. A partir da aproximação com vários políticos, Duda Mendonça também se envolveu em escândalos de corrupção.

Em 2005, o nome dele apareceu no Mensalão, onde virou réu no Supremo Tribunal Federal (STF) junto com outras 37 pessoas e foi acusado de lavagem de dinheiro e evasão de divisas. Já em 2016, o marqueteiro passou a ser investigado na Operação Lava Jato e virou réu no STF novamente, pelos mesmos crimes que respondeu no MensalãJosé Eduardo Cavalcanti de Mendonça, o Duda, nasceu em 10 de agosto de 1944, em Salvador. Ele morreu em decorrência de um câncer no cérebro, agravado pela Covid-19. A trajetória profissional de quase 50 anos começou a ganhar forma ainda em 1975, quando Duda criou a agência DM9 Propaganda.

Em 1988, os também publicitários Domingos Logullo e Nizan Guanaes tornaram-se sócios dele, que abriu um escritório em São Paulo. Em 1990, a DM9 Bahia e a DM9 São Paulo se separaram. Este foi o pontapé para Duda Mendonça se preparar para a campanha de Maluf, que venceu a eleição paulistana de 1992.