Assembleia ficará fechada até que Cabo Gilberto seja vacinado

 

Deputados estaduais decidiram suspender, no início da tarde desta quarta-feira (06), as sessões e os trabalhos presenciais até que o deputado Cabo Gilberto Silva (PSL) tome vacina contra a Covid-19.

O parlamentar, que lidera a oposição, descumpriu uma regra aprovada pela Casa e participou pelo segundo dia seguido de forma presencial da sessão mesmo sem estar autorizado.

O presidente da Assembleia Legislativa da Paraíba, Adriano Galdino (PSB), informou que vai aguardar que o deputado se vacine até o fim do mês. Caso até lá o parlamentar bolsonarista não tenha sido imunizado, os deputados vão se reunir de forma reservada para analisar as “providências” que serão tomadas.

Questão de ordem 

A questão de ordem foi levantada inicialmente pelo deputado estadual Hervázio Bezerra (PSB). Bosco Carneiro (Cidadania), em uma nova questão de ordem, pediu a suspensão de todas as atividades.

“Em respeito aos servidores, colegas, imprensa, Paraíba”, disse Hervázio. Ricardo Barbosa (PSB) no entanto, frisou que a decisão majoritária deve prevalecer. “Está se sobrepondo ao todo, principalmente no parlamento, onde a decisão majoritária prevalece sempre. Não podemos punir o todo em detrimento do deputado Cabo Gilberto”, pontuou.

O presidente da Casa, Adriano Galdino (PSB) lembrou que ao comparecer o plenário, Cabo Gilberto descumpre uma Resolução e afeta o ambiente parlamentar. Galdino garantiu que não usará força policial para impedir a entrada de qualquer parlamentar na Casa.

Em sua defesa, Cabo Gilberto argumentou que não descumpre qualquer Resolução e garantiu ter feito teste que mostrou não estar infectado pelo coronavírus. “Não coloquei a vida de ninguém em risco”, disse.

Ele reforçou que está sendo constrangido e alvo de constantes ataques com discriminação, humilhação e massacre. “Afronta a democracia deixar o parlamentar sem exercer o seu mandato porque não tem passaporte sanitário”, avaliou.

No plenário, além de Cabo Gilberto, estão Wilson Filho, Jutay Meneses e Jane Panta.

MaisPB


BORGES NETO LUCENA INFORMA