HU-JP inaugura primeiro ambulatório do Nordeste voltado para crianças com Down

 


A partir de hoje, pacientes e familiares de pessoas com Síndrome de Down (também conhecida como Trissomia 21) contam com um serviço de atendimento multidisciplinar gratuito na Paraíba. Foi inaugurado nesta quarta-feira (3), no Hospital Universitário Lauro Wanderley (HULW-UFPB/Ebserh), o Serviço de Assistência à Criança com Trissomia do 21.  

Com isso, o hospital-escola é um dos poucos do País, e o único na região Nordeste, a contar com um serviço nessa modalidade. Inicialmente, os atendimentos ocorrerão em parceria com o Instituto Primeiro Olhar (organização não-governamental que acolhe pais de crianças diagnosticadas com a síndrome na Paraíba), que fará os primeiros encaminhamentos. 

“No Brasil, a cada 700 nascimentos, em média, um bebê nasce com Síndrome de Down. Como gestor, não haveria como eu não ter sensibilidade para abraçar esse projeto tão lindo”, afirmou o superintendente do HULW-UFPB, Marcelo Tissiani. Ele aproveitou a oportunidade para agradecer a todos do HULW que se empenharam em transformar o que era apenas um sonho em algo concreto e destacou que a ideia de criar o serviço no Lauro Wanderley partiu do gerente de Ensino e Pesquisa, Eduardo Fonseca.  

Para a presidente do Instituto Primeiro Olhar, Taísa Dantas, a inauguração do novo ambulatório no HULW é fruto de muita luta. “Hoje o Instituto Primeiro Olhar atende a mais de 150 famílias, e a gente vem lutando há muitos anos pelos serviços, para que as crianças tenham um local para serem encaminhadas. Em João Pessoa existem alguns centros que oferecem as terapias que as crianças tanto necessitam, mas ainda não é suficiente”, declarou.  

TERCEIRA INSTITUIÇÃO NO BRASIL 

Além do ambulatório inaugurado hoje no Lauro Wanderley, só existem outros dois serviços de saúde no Brasil que oferecem atendimento integral a crianças e adolescentes com trissonomia do 21: o Complexo Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Paraná (HC-UFPR), em Curitiba, e o Hospital Regional da Asa Norte (HRAN), em Brasília. 

“Muitas mães precisavam sair daqui para São Paulo, para buscar o caminho dos medicamentos e das terapias para os seus filhos. O HULW agora tem condições de dar assistência a todas as mães da mesma forma que a assistência oferecida na rede privada”, declarou Eduardo Fonseca.  

“Esse serviço nasce com o intuito de congregar, de diagnosticar, de acolher e de mostrar o caminho”, acrescentou o gestor, ressaltando ainda que o Serviço de Assistência à Criança com Trissomia do 21 só foi implementado no HULW devido ao apoio da ministra de Estado da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, que é madrinha do projeto.  

Para o gerente de Atenção à Saúde do hospital, José Eymard Medeiros, a inauguração do novo ambulatório representa um momento especial, não apenas por ser o primeiro serviço desse tipo no Nordeste, mas principalmente pelo público que será atendido. “A gestão busca não apenar dar assistência à população de João Pessoa, mas dar assistência de qualidade e integral”. Já o gerente Administrativo, Fábio Lopes, externou o sentimento de poder participar da entrega do serviço à sociedade. “É muito gratificante poder entregar esse serviço ímpar, o primeiro do Nordeste. Você doa amor, você recebe amor”. 

HULW VAI OFERECER ASSISTÊNCIA INTEGRAL 

Com o novo serviço, o HULW-UFPB vai prestar assistência integral à saúde da pessoa com Trissomia do 21, promovendo diagnóstico clínico e funcional nas mais diversas especialidades da saúde, além de prestar atendimento também aos familiares. “A ideia é que, a partir do atendimento no HULW, os pacientes possam ser inseridos em todas as intervenções e tratamentos necessários, para que tenham o suporte adequado durante o seu desenvolvimento”, explica o professor Giorvan Anderson Alves, coordenador do projeto, que congrega profissionais do HULW e da UFPB. 

“O nosso objetivo principal é, justamente, fazer uma ação voltada às pessoas com Trissomia do 21, oferecendo uma assistência interdisciplinar e, acima de tudo, poder dar um suporte com continuidade. A gente vai acolher, fazer a avaliação, o diagnóstico e vai buscar uma rede de assistência para as crianças”, explica Giorvan Anderson.   

O Serviço de Assistência à Criança com Trissomia do 21 vai funcionar no ambulatório da Fisioterapia, com o apoio dos profissionais da Unidade de Reabilitação. O local foi preparado e equipado para ofertar acompanhamento em especialidades diversas, como fisioterapia, terapia ocupacional e fonoaudiologia. Os usuários também terão assistência de uma equipe formada por médicos, enfermeiros, psicólogos e odontólogos.  

Da Redação com Assessoria




FALA PARAÍBA-BORGES NETO