Divergindo de Queiroga, Geraldo defende vacinação de crianças e lembra mortes por covid-19

 

Na contramão do ministro de Saúde, o paraibano Marcelo Queiroga, que prega a cautela na vacinação de crianças de 5 a 11 anos de idade, o secretário de Saúde da Paraíba, Geraldo Medeiros, defende que, assim como a Anvisa deliberou, o imunizante da Pfizer possa ser aplicado imediatamente nessa faixa etária.

Ele lembrou que são mais de 300 mortes e 5 mil casos de interação em leitos de UTI por crianças de 5 a 11 anos e que, com a variante ômicron, esses números podem aumentar de forma a sobrecarregar o sistema de saúde.

“Já temos nessa faixa etária, no Brasil, 300 mortes de crianças decorrentes de covid-19 e mais 5 mil casos de internamentos em UTI. Além disso, a chegada da variada ômicron trará uma contaminação maior da população que não se vacinou. Por isso o critério e a necessidade de que nós possamos vacinar nossas crianças para evitar mortes e aumento de ocupações dos nossos leitos de UTI pediátricos”, considerou.

Além de defender o uso da vacina, Medeiros explicou que as crianças deverão tomar apenas um terço de uma dose tomada por um adulto, desmistificando uma dúvida que foi levantada.

 

PB Agora


BORGES NETO LUCENA INFORMA