Após 20 dias de negociação, associações da Polícia Militar e Governo da Paraíba ainda não chegaram a acordo sobre aumentos para categoria


 No dia 4 de janeiro, o governador João Azevêdo se reuniu com os militares pela primeira vez para discutir os reajustes salariais para a categoria. A ideia era resolver o mais rápido possível o impasse que se originou em dezembro com a aprovação da Lei de Proteção Social dos Militares. No entanto, desde lá pouco se tem avançado.

A principal reivindicação da categoria é a incorporação total da Bolsa Desempenho ainda neste ano. Por sua vez, o Governo tem argumentado que a proposta é impraticável diante da situação financeira do Estado e propôs que o benefício fosse aplicado ao longo de 48 meses.

Enquanto associações da Polícia Civil vinham aceitando a mesma proposta em assembleias, na PM as discordâncias dentro da própria corporação se acentuaram. O Clube dos Oficiais chegou a aprovar oferta do governo, mas a Caixa Beneficente negou. Essa indefinição segue até hoje.

"A gente já fez o que tinha que ser feito nas assembleias. O que foi discutido lá fortemente foi o prazo da Bolsa Desempenho. O governador ainda não chamou de volta e estamos no aguardo", disse o Coronel Sobreira, presidente da Caixa Beneficente, ao ClickPB.

CLICKPB



FALA PARÁIBA-BORGES NETO