Deputado da Paraíba explica por que, ’em um país sério Sérgio Moro estaria preso’

 

“Em um país sério Sérgio Moro estaria preso”. A declaração é do deputado estadual Jeová Campos, do PT da Paraíba ao questionar os métodos utilizados pelo ex-juiz sob a justificativa de combater a corrupção.
Segundo o parlamentar, que é advogado por formação e professor universitário na área de direito, Moro não respeitou os direitos fundamentais que são inerentes a qualquer pessoa humana, conforme preconiza a Constituição Federal

Para Jeová, o método Sérgio Moro precisa ser extirpado, porque nele está intrínseca a parcialidade, que é também um ato de corrupção.

“Eu não preciso de mudança constitucional, é só aplicar a Constituição. O método Sérgio Moro aplicado no Brasil é uma praga que tem que ser extirpada. Não se pode, em nome de um bem maior, que é o combate à corrupção fazer tanta violação dos direitos humanos fundamentais, fazer coerção coercitiva das pessoas sem nunca ter sido notificado para uma audiência, enclausurar as pessoas de forma parcial combinado com o Ministério Público. Não há nada mais corrupto para um ser humano, na condição de magistrado ser reconhecido pela Corte Superior que ele é parcial. Além de incompetente do ponto de vista jurídico ele é parcial, e parcial é quem faz negociata, quem faz treta. Sinceramente, em um país mais sério Sérgio Moro não estaria solto e o método dele levou infelizmente a muitas células do judiciário no país a cair nesse conto”, asseverou.

Ainda conforme o parlamentar, as experiências, até mesmo mundiais, comprovam que algumas práticas não segue a Constituição e devem ser revistas antes que se prejudique mais pessoas.

“O sistema de justiça não merece isso. Nós já temos experiência suficiente no mundo para dizer que algumas coisas não estão de acordo com a Constituição Federal. O devido processo legal, o contraditório, a ampla defesa, são garantias fundamentais da pessoa humana, é tanto que eu fico aqui me perguntando o porquê de estarmos vivendo essa era”, completou. As declarações do parlamentar repercutiram no Sistema Arapuan.

 

PB Agora


BORGES NETO LUCENA INFORA