Desaparecimento de paraibana na Ucrânia chega ao 15º dia e família ainda aguarda informações; sobrinha diz que Itamaraty não entrou em contato

 


O desaparecimento de paraibana, a artesã Silvana Pilipenko, chega ao 15º dia e a família ainda aguarda informações. De acordo com a sobrinha dela, Beatriz Vicente, que mora em João Pessoa, o Itamaraty, apesar de dizer, em nota, que tem mantido contato com a família, a jovem negou que tenha recebido retorno de quaisquer informações. 

No último contato que teve com a família na Paraíba, no dia 02 de março, Silvana Pilipenko estava na cidade de Mariupol - que tem sofrido nos últimos dias com os ataques das forças russas. Em vídeo repassado, a artesã comentou das dificuldades para acesso a água, energia elétrica e a escassez de alimentos nas prateleiras dos supermercados. 

Silvana Pilipenko chegou a temer que nos dias seguintes poderia não conseguir manter o contato com a família por conta da falta de internet. Em entrevista ao programa Arapuan Verdade, da Rádio Arapuan FM, a sobrinha dela Beatriz Vicente, disse que o seu primo, filho de Silvana, está tentando entrar na Ucrânia, mas ainda não conseguiu por conta dos ataques russos. 

A sobrinha contou que, em janeiro deste ano, Silvana esteve na Paraíba e depois retornou, mas já estava com viagem marcada para o dia 20 de março. No entanto, os familiares não conseguem mais o contato. "Nós não estamos tendo nenhum contato do Itamaraty. O que estamos sabendo é o que a imprensa está trazendo", afirmou como acompanhou o ClickPB.

CLICKPB



FALA PARAÍBA-BORGES NETO