Mercadante diz que Lula vai recuperar "tragédia de Bolsonaro na educação"

 


O ex-ministro da Educação, Aloizio Mercadante, que coordenada o programa de governo da Coligação Brasil da Esperança disse que os dados de avaliação da educação básica, divulgados nesta sexta-feira (16), são "aterradores e apontam para uma redução do aprendizado em todos os níveis dessa etapa de ensino".

Segundo ele, o Ministério da Educação de Bolsonaro "se ausentou completamente do papel de coordenador e de articulador da educação nacional, prejudicando a reabertura das instituições de ensino e a garantia do direito à educação. Foram praticamente dois anos de afastamento do ambiente pedagógico, em que as redes de ensino e os alunos foram largados à própria sorte, sem sequer um plano de estudos ou acesso à educação remota por parte de Bolsonaro", explicou.

"Esse drama se expressa sobretudo nos índices de alfabetização, já que a porcentagem de crianças do 2º ano do ensino fundamental que ainda não sabem ler e escrever nem mesmo palavras isoladas mais do que dobrou de 2019 a 2021", reforçou.

Merenda escolar sem reajuste

A educação brasileira percorreu a total ausência do governo federal tendo que contar com a ação colaborativa entre os estados e os municípios e com o apoio de diversas organizações da sociedade para garantir o mínimo de contato dos nossos estudantes com o ambiente escolar. É fundamental destacar, reconhecer e valorizar também o papel e o enorme esforço das famílias, dos profissionais da educação, dos gestores estaduais e municipais na busca de soluções capazes de manter os vínculos com os processos pedagógicos e o senso de pertencimento a uma comunidade educacional.

Não bastasse esse abandono, as verbas federais destinadas à merenda escolar estão congeladas há cinco anos. Bolsonaro vetou o reajuste aprovado pelo Congresso Nacional em agosto deste ano e o que vemos são denúncias de que crianças estão recebendo carimbos para não repetir o prato, dividindo um ovo para até quatro pessoas, além de sofrer com a falta de itens básicos, como carne e arroz. Um cenário muito diferente daquele dos nossos governos, em que o Programa Nacional de Alimentação Escolar foi continuamente aprimorado.

Além do reajuste no valor per capita transferido para estados e municípios, nos governos do PT, a merenda foi assegurada também aos estudantes do ensino médio. Tornou-se ainda um instrumento de desenvolvimento local, por meio da autorização da compra direta da agricultura familiar. O número de estudantes atendidos pelo programa de merenda escolar cresceu de 36,4 milhões para 41,3 milhões, entre 2002 e 2015.

CLICKPB



FALA PARAÍBA-BORGES NETO