Indígenas lutam para inserção da vacinação contra Covid-19 de população não aldeada na Paraíba

 


Uma das lutas atuais dos indígenas na Paraíba é a inclusão da população não aldeada, ou seja, aqueles que residem nas cidades também possam ser incluídos no programa nacional de vacinação contra a Covid-19. Apenas os que vivem em aldeias puderam ser imunizados contra o coronavírus, sendo assim, um público-alvo de pouco mais de 10 mil pessoas. 

“Os que não estão nas aldeias não podem ser vacinados e a gente quer que todos sejam vacinados porque tem os mesmos direitos”, frisou o capitão potiguara, José Ciríaco, um dos líderes indígenas. Nesta segunda-feira (19), Dia do Índio, informou ao ClickPB que participou de uma live e discutiu sobre a pandemia nas aldeias. Além dos povos não aldeados, os indígenas pedem que os povos Tabajaras, na Paraíba, também possam ser incluídos no cronograma de vacinação. 

Pelo menos 10.092 índios potiguaras residentes em aldeias dos municípios de Baía da Traição, Conde, Marcação e Rio Tinto, situados na faixa litorânea da Paraíba, foram imunizados com a 1ª dose de vacina contra a Covid-19, conforme o painel de vacinação da Secretaria de Estado da Saúde (SES-PB). Já tomaram a 2ª dose, 7.896 índios, o que corresponde a cobertura de 78% da população alvo. 

O último boletim epidemiológico divulgado pela Secretaria de Estado da Saúde, no dia 14 de abril deste ano, trouxe que 1.689 casos foram confirmados para Covid-19 na população indígena. O índice de letalidade do grupo chega a 0,7%. O número de mortes não foram divulgados, apenas o percentual de 1,7%. O primeiro indígena vacinado na Paraíba foi Genildo Avelar, da Aldeia Carneira do município de Marcação, no dia 19 de janeiro.

CLICKPB


FALA PARAÍBA-BORGES NETO