Rússia diz ter capturado Mariupol; Ucrânia não confirma

 


O governo da Rússia informou nesta quinta-feira (21) que capturou a cidade portuária ucraniana de Mariupol. A Ucrânia, porém. não se manifestou a respeito da informação russa.

O ministro da Defesa russo, Sergei Shoigu, informou ao presidente Vladimir Putin que cerca de 1.500 soldados ucranianos se renderam, mas que há ainda cerca de 2 mil combatentes inimigos escondidos nos subterrâneos da fábrica Azovstal - que tem 6 km² e muitos túneis e galpões. Segundo Shoigu, eles "estão cercados e o perímetro da siderúrgica está bloqueado com segurança”.

Putin abandona plano de atacar fábrica

Putin já teria parabenizado o Exército russo pelo sucesso na operação na região e também teria ordenado para não atacar a fábrica. Segundo agências internacionais de notícias, o presidente russo abandonou os planos de atacar o complexo industrial para esperar que os militares ucranianos entrincheirados se rendam.

O presidente da Rússia disse ainda que, após o sucesso da operação em Mariupol, quer preservar vidas de soldados e civis na cidade.

Tanques russos avançam sobre área próxima a Mariupol — Foto: Alexei Alexandrov / AP photo

Corredor humanitário

Após a Rússia afirmar que tomou Mariupol, a vice-primeira-ministra da Ucrânia, Iryna Vereshchuk, exigiu nesta quinta que os russos permitam a saída urgente de civis e soldados feridos da usina Azovstal, por meio de um corredor humanitário. Ela não confirmou que a cidade portuária caiu e está em poder dos invasores.

"Há cerca de 1.000 civis e 500 soldados feridos lá. Todos eles precisam ser retirados de Azovstal hoje", disse Vereshchuk em um post em rede social.

5 milhões deixaram a Ucrânia

Passou de 5 milhões o número de pessoas que deixaram a Ucrânia desde que a Rússia invadiu o país. Na quarta-feira (20), pouca gente conseguiu fugir da cidade portuária de Mariupol – um dos maiores alvos na ofensiva e que estava sitiada há semanas.

Uma nova tentativa foi feita para retirar cerca de 6 mil civis de Mariupol, mas foram poucos os que conseguiram embarcar nos ônibus. O prefeito informou que 100 mil moradores permanecem na cidade sitiada.

A Azovstal, fundada há quase 90 anos, na era soviética, chegou a empregar mais de 10 mil pessoas até a invasão russa.

CLICKPB


FALA PARAÍBA-BORGES NETO